Como a pandemia do coronavírus afeta quem vive na informalidade

… E o que a LBV, com a SUA AJUDA, tem feito para amenizar os impactos da pandemia na vida dessas pessoas.

A pandemia do novo coronavírus afeta profundamente a vida de pessoas que dependem na informalidade* para garantir o sustento de casa.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), do IBGE, o Brasil tem 38 milhões de trabalhadores informais. Em meio à crise, sem estabilidade ou chance de trabalhar, e, consequentemente, com a renda ainda mais fragilizada, estes cidadãos vivem dias de incertezas. Os armários estão vazios e as reservas financeiras estão cada dia mais escassas.

Vivian R. FerreiraTrabalhadores que dependem da informalidade, como os recicladores, sofrem os efeitos devastadores desta pandemia do coronavírus.
A situação destas pessoas ainda é agravada pelas condições precárias de sobrevivência, já que muitos residem em grandes comunidades, com famílias numerosas, sem saneamento básico e acesso facilitado à água potável, o que pode facilitar o contágio por Covid-19.

Em todo o mundo, o novo vírus prejudicará até 1,6 bilhão de pessoas que trabalham na informalidade. O dado é da Organização Internacional do Trabalho (OIT), entidade ligada às Nações Unidas.

Neste período turbulento, a solidariedade surge como ferramenta para amenizar estes impactos.

Movida por este Ideal no Bem, a Legião da Boa Vontade (LBV) está entregando, em todo o Brasil, por intermédio da campanha SOS Calamidades, cestas de alimentos e kits de limpeza a milhares de famílias que dependem justamente do trabalho informal para sobreviver ou não tem qualquer fonte de renda.

Conexão solidária

Graças à ajuda do povo, estamos possibilitando que muitos lares brasileiros tenham comida nesta quarentena.

De Norte a Sul, nossa Caravana Solidária rompe fronteiras para levar o amparo material e renovar a esperança destas famílias.

Acompanhe nossos conteúdos de prestação de contas aqui no site e em nosso Facebook e Instagram.

Compartilhamos com você uma história que reflete como pequenas atitudes podem ajudar quem mais precisa.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Letícia Ramos é cabeleireira e mora no bairro Jardim Moraes, em Embu das Artes, região metropolitana de São Paulo. Ela mobilizou os amigos pelas redes sociais para que montassem kits com alimentos para serem doados aos vizinhos que estão em uma situação mais delicada neste momento.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Solidariedade | Mundo Melhor (@lbvbrasil) em

 

Depois dessa mobilização, entrou em campo a Associação Amigos do Jardim Moraes (que faz parte da Rede Sociedade Solidária, da LBV). A entidade oferece atendimento a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade ou exclusão social.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Ou seja: a Leticia conectou a sua rede de amigos, que conectou a Associação Amigos do Jardim Moraes, que conectou a LBV, que também está conectada à Leticia (como ela explica no vídeo acima).
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
As famílias beneficiadas por esta ação vivem majoritariamente do trabalho informal e estão impossibilitadas de ganhar dinheiro e de garantir o sustento de casa.

Solidariedade sem fronteiras⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Neste momento desafiador, caminhamos juntos e promovemos diversas ações para ampliar nosso atendimento e ajudar milhares estas famílias, que, sem poder trabalhar e sem qualquer direito trabalhista, sofrem neste momento de crise.

A resposta à esta iniciativa é carregada de gratidão e sentimentos.

Rosana SerriCuritiba, PR — Para diminuir os impactos do novo coronavírus, a LBV entregou 150 cestas de alimentos às famílias dos alunos atendidos no Centro de Educação Infantil José de Paiva Netto.
Cidineia Borges da Silva, mãe do pequeno João Gabriel, atendido pela LBV em Goiânia/GO, é costureira e ganha pela quantidade de peças produzidas. Neste momento, com o trabalho interrompido, sente a crise bater em seu lar. 

Em Goiânia, LBV ampara famílias atingidas pela Covid-19

“Está bem difícil, porque tem pagar o aluguel, a água e a energia e toda a despesa de casa. Lá, só sou eu e meus filhos [NT: um bebê de apenas um mês e o filho de 13 anos], então fica bem complicado”. 

Graças à nossa campanha emergencial, ela poderá respirar mais aliviadas. “Essa ajuda é muito importante para nós, só tenho a agradecer a todos que estão ajudando. Que Deus abençoe a todos!”

{glf nid:121007}

Em Sergipe, Estado com a sétima maior taxa de informalidade do País (54,4%), a população encontra dificuldades até para se alimentar e se proteger da Covid-19.

LBV beneficia famílias sergipanas com cestas de alimentos

Moradora de Aracaju, Sônia Gardênia de Jesus Santos, mãe de Augusto e Davi, não escondeu a felicidade em receber a cesta de alimentos. Ao site da LBV, ela explicou a situação de sua família:

“Essa cesta de alimentos vai me ajudar a combater essa pandemia. Sou diarista, tenho filhos pequenos e meu ex-marido está sem trabalhar. Então, essa ajuda veio numa boa hora. Que Deus conserve vocês e continuem fazendo Bem para o próximo!”.

O sustento da família de Marcos Vinicius Duarte, beneficiado pelos serviços de convivência da LBV em Glorinha/RS, vem do trabalho na cooperativa de reciclagem. Nesta pandemia, sente as dificuldades aumentarem. 

Alex DiasGlorinha/RS – Graças à sua colaboração, muitas famílias de baixa renda tem como se proteger do novo vírus e sanar a fome.
Sobre o apoio da Entidade, destacou: “Meus filhos estão na LBV e tenho a tranquilidade de vir para o trabalho e posso ficar tranquilo. Ali sei que é onde eles vão ter uma boa educação, eles têm uma boa alimentação, e o que seria se não tivesse a LBV?”.

+ SOS Calamidades: LBV no amparo às famílias gaúchas

Em Ananindeua/PA, Márcia da Cruz Nascimento recebeu a cesta de alimentos com muita alegria. Sem renda no momento, via a situação de sua família ficar cada dia mais desesperadora.

Ana Paula FerreiraAnanindeua, PA — Sem poder trabalhar, Márcia da Cruz Nascimento via a situação de sua família ficar cada dia mais desesperadora. Por isso, recebeu a cesta de alimentos da LBV com muita alegria.
Ela mandou o seguinte recado a você, que contribuiu com esta ação:

“Gostaria de agradecer a todas as pessoas da LBV, esta cesta chegou em um momento necessário! Como trabalho por conta própria, estou sem poder sair de casa para exercer meu trabalho. Quero agradecer a todos os colaboradores e pedir que não deixem de fazer sua contribuição. Neste momento, ela é muito importante. Muito obrigada a todos!”.

+ População de baixa renda de Ananindeua é amparada pela LBV

Agradecemos a todos que estão apoiando essa ação emergencial contra os prejuízos socioeconômicos gerados pela pandemia.


* A  informalidade inclui trabalhadores sem carteira assinada, trabalhadores domésticos sem carteira, empregadores sem CNPJ, por conta própria sem CNPJ e trabalhadores familiares auxiliares.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas