10 provas de que SUA DOAÇÃO faz a diferença nesta pandemia

A força da Solidariedade é importante para que possamos amenizar esses impactos e socorrer emergencialmente quem mais precisa.

A LBV está atuando em prol das famílias de baixa renda que sentem os impactos gerados pela pandemia do novo coronavírus.

Desde o início da pandemia, já entregou mais de um milhão de doações, impactando mais de 170 mil pessoas em todo o Brasil.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Solidariedade | Mundo Melhor (@lbvbrasil) em

Além desta importante marca, reunimos mais 10 provas de que a SUA DOAÇÃO faz toda a diferença na vida destes beneficiados.

1. Famílias atendidas pelos serviços sociais da LBV enfrentam risco alimentar. Muitos desses atendidos, inclusive, não têm em suas casas refeições diárias e tão nutritivas. LEIA MAIS.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Solidariedade | Mundo Melhor (@lbvbrasil) em

2. Graças ao nosso atendimento, recebem diariamente uma alimentação balanceada (de 2 a 5 refeições) e o apoio de profissionais especializados para servir um cardápio adequado para cada faixa etária, visando ao desenvolvimento pleno de todos. Com a suspensão temporária de nossas atividades presenciais, correm risco de passar fome neste período.

{glf nid:51168}

3. A pandemia do novo coronavírus reforçou as desigualdades brasileiras.

{glf nid:122352}

4. Uma pesquisa da UFMG aponta que famílias mais pobres têm suas vidas mais prejudicadas pelo avanço da Covid-19, que estabeleceu um cenário econômico incerto e uma baixa expectativa de geração de emprego.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Solidariedade | Mundo Melhor (@lbvbrasil) em

5. De acordo com a Data Favela/Instituto Locomotiva, sete em cada dez famílias que moram em comunidades carentes em todo o Brasil foram afetadas financeiramente pela pandemia. LEIA MAIS.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Solidariedade | Mundo Melhor (@lbvbrasil) em

6. O Brasil tem, segundo o IBGE, 12 milhões de desempregados. A crise econômica gerada pelo novo coronavírus deve adicionar mais pessoas ao indíce de pessoas desocupadas e em condições de pobreza.

7. Neste cenário, sem estabilidade ou chance de trabalhar, e com a renda ainda mais fragilizada, os trabalhadores informais — ou seja, 38 milhões de brasileiros, de acordo com o IBGE — vivem dias de incertezas. Os armários estão vazios e as reservas financeiras estão cada dia mais magras. LEIA MAIS.

8. Populações de zonas rurais, comunidades quilombolas, aldeias indígenas, assentamentos e favelas, que integram minorias étni­cas e sociais, estão mais suscetíveis à Covid-19. Estas comunidades enfrentam escassez de água potável; dificuldade de deslocamento para atendimentos médicos, em casos mais graves; falta de informação e orientações; subnotificação de contaminação e mortes, o que dificulta ações de combate a pandemia. LEIA MAIS.

{glf nid:125095}
{glf nid:124027}

9. Quem vive no sertão ou no agreste, e depende do que planta ou de renda mínima para sobreviver, tem sentido os efeitos da pandemia no trabalho, que anda cada vez escasso. LEIA MAIS.

{glf nid:124606}

10. No país, quase sete milhões de pessoas vivem com renda per capita domiciliar inferior a US$ 1,90 por dia, o que corresponde a cerca de R$ 154 mensais por integrante da família.

A você, que contribuiu com esta ação solidária, nosso mais profundo agradecimento!

A força da Solidariedade é importante para que possamos amenizar esses impactos e socorrer emergencialmente quem mais precisa.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas